05

Eleito novo Padre Superior Geral da Congregação da Missão e da Companhia das Filhas da Caridade

Foi eleito no dia 05 de Julho de 2016 o novo Superior Geral da Congregação da Missão e da Companhia das Filhas da Caridade, Pe. Tomaž Mavrič, CM. que assume no lugar do Pe. Gregory Gay, CM.

05

“Eu tenho a alegria de anunciar que, nesta terça-feira, 5 de julho de 2016, durante a Assembleia Geral XLII, Padre Tomaz Mavrič, CM, Vice-Visitador de Cirilo e Metódio, foi eleito Superior Geral da Congregação da Missão e da Companhia das Filhas da Caridade.
Nossas orações e vamos com ele.”

Giuseppe Turati, Secretário Geral CM

Fonte: http://ag2016.cmglobal.org/en/2016/07/05/rev-father-tomaz-mavric-cm-new-superior-general/

 

 

Padre Tomaž Mavrič, CM nasceu em Buenos Aires, Argentina em 09 de Maio de 1959. Ingressou no Seminário em 11 de Dezembro de 1976 e foi Ordenado em 29 de Junho de 1983.

Atualmente, sua função era a de Vice Visitador na Província de São Cirilo e São Metódio.

 

Padre Tomaž Mavrič, CM com seu novo Conselho

CONSEJO-GENERAL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Durante a 42ª Asembleia Geral da Congregação da Missão foi constituído o novo conselho que irá acompanhar o Padre Tomaz Mavric, CM, Superior Geral, durante os seis anos de seu mandato. Abaixo a formação do novo conselho:

  • Pe. Javier Alvarez, CM | Província de Madrid – Vigário Geral;
  • Pe. Aarón Gutierrez, CM | Província do México;
  • Pe. Mathew Kallammakal | Província do Norte da Índia;
  • Pe. Zeracristos Yosief, CM | Província de São Justino de Jacobis;
  • Pe. Miles Heine, CM | Província oeste dos EUA.
logo

Aniversário de 400 anos do carisma vicentino será comemorado com reflexões em apoio aos estrangeiros

logoComemora-se em 2017 o aniversário de 400 anos do carisma vicentino. A data será celebrada em todo mundo com reflexões em torno dos gestos de caridade empreendidos em favor dos estrangeiros. O padre Gregory Gay, Superior Geral da Congregação da Missão (ordem dos padres, fundada por São Vicente de Paulo), definiu que entre 1º de janeiro e 31 de dezembro de 2017 será o Ano da Acolhida ao Estrangeiro. O lançamento oficial deve ser feito no próximo dia 15 de maio, na Festa de Pentecostes.

A partir de 15 de maio, os líderes da Família Vicentina terão a responsabilidade de desenvolver um processo de reflexão e consulta no respectivo Ramo, trabalhando estreitamente com as equipes nacionais e regionais, sobre as seguintes perguntas: a) Quem são os estrangeiros ao nosso redor? b) Como estamos dando nosso apoio atualmente? c) Quais as novas necessidades que estão surgindo? d) Como podemos responder a estas necessidades? e) Somos nós os estrangeiros necessitados de acolhida?

As respostas a estas perguntas serão compiladas em outubro de 2016 e o resultado delas transformado em um plano de trabalho ao ano seguinte. Padre Gregory Gay dá pistas que podem orientar os trabalhos das pessoas que se dedicarão ao projeto, principalmente, elucidando o público-alvo da iniciativa. “São muitos: os refugiados que fogem da opressão e da pobreza; os desabrigados em suas cidades devido a guerras civis; os migrantes que buscam uma vida nova; os sem-teto; os enfermos físicos ou mentais; aqueles que sofrem discriminação por sua fé, raça ou cor; o jovem ou o ancião solitário e vulnerável. Muitas destas pessoas e situações já estão familiarizadas com o trabalho dos membros da Família Vicentina em nível global”.

O representante da Família Vicentina na Sociedade de São Vicente de Paulo (SSVP) é o confrade Cristian Reis da Luz Bigão, vice-presidente do Conselho Nacional do Brasil (CNB). Ele pede que os vicentinos divulguem a carta do padre Gregory Gay (baixe aqui), que foi traduzida pelo padre Joelson Sotem (também da Congregação da Missão-CM). Ainda aconselha que os confrades e as consócias pensem em estratégias globais. “Lembremos sempre que o carisma tem que ter sua chama acesa… na Igreja, na sociedade. Mais do que um Ramo, devemos pensar na família, no carisma! Somos portanto, desafiados a viver intensamente nosso carisma, reconhecendo nossos ‘Mestres e Senhores’ e agindo eficazmente com caridade, ‘fazendo o que a justiça sozinha não saberia fazer’”.

400 ANOS DO CARISMA
O carisma vicentino foi iniciado em 1617, na Igreja de Chatillon, quando Vicente de Paulo exortou os fiéis a ajudarem uma família pobre da Paróquia. A família foi salva pela pronta resposta a este convite à ação e como resultado deste momento, Vicente compreendeu que a caridade para ser efetiva devia também estar bem organizada, um evento que tem mudado o mundo nos últimos 400 anos.

Lançamento de logomarca é uma das atividades em comemoração aos 400 anos do carisma vicentino

A Família Vicentina se prepara para comemorar os 400 anos de instituição do carisma dela inspirado em São Vicente de Paulo. Foi o santo que em 1617 fundou a instituição Damas da Caridade, o primeiro Ramo vicentino que, depois, abriu as portas para a criação de muitas outras entidades, a exemplo da Sociedade de São Vicente de Paulo (SSVP). Para celebrar a data, foi lançada a logomarca oficial.

A imagem é composta por um círculo (que representa o mundo, a história, a vida) formado por várias linhas coloridas (simbolizando os Ramos da Família Vicentina). “Estas linhas ou raios simbolizam as Congregações, grupos, associações fundadas a partir do carisma vicentino. Eles também simbolizam a sociedade, com suas imperfeições e alegrias, esperanças e fraquezas”, explica o padre Alexis Trujillo Cerquera, que apresentou a arte nesta semana no site internacional da Família Vicentina.

Ainda de acordo com a explicação do padre, as estrelas da logomarca remetem aos dois lugares teológicos onde Vicente de Paulo viu os traços de Deus na vida dele e que iniciou as obras de caridade: Gannes-Folleville e Châtillon-les-Dombes, ambas na França.
Já a cruz que corta o desenho representa a ressurreição de Cristo e a festa de Pentecostes. “A cruz nos lembra que é sempre um sinal de um novo espírito que vive dentro de nós e nos convida a viver como Família Vicentina em nosso mundo”, completa o padre.

Logo dos 400 anos do Carisma Vicentino
O Pe. Alexis Cerquera Trujillo compartilha conosco o logotipo que desenhou para os 400 anos do Carisma Vicentino.

Explicação do logo:

Foi construído a partir de uma figura básica:
O círculo: (o mundo, a história, a vida, etc.). Este círculo está formado por diversas linhas, organizadas de uma maneira “radiante” em diferentes cores (roxo, verde, azul…).

Estas linhas ou raios simbolizam as congregações, os grupos, associações… fundadas desde o carisma vicentino. Também simbolizam a sociedade, com suas imperfeições e alegrias, esperanças e cansaços…

Este círculo ligam as duas estrelas, que recordam dois “lugares teológicos” onde Vicente de Paulo viu as pegadas de Deus em sua vida e que, por palavras, se tornaram acontecimentos importantes: Gannes-Folleville e Châtillon-les-Dombes.

As estrelas: sua localização nos recorda o território francês. Estão unidas por uma cruz de luz que recordam a Ressurreição e Pentecostes.

A cruz nos recorda que é sempre um sinal de um novo Espírito que nos habita e nos convida a viver como Família Vicentina, em nosso mundo, razão pela qual o rosto de Vicente se encontra na intersecção da cruz.

FONTE: http://ssvpcmbh.org.br/aniversario-de-400-anos-do-carisma-vicentino-sera-comemorado-com-reflexoes-em-apoio-aos-estrangeiros/

 

 

 

 

ImageProxy

Pe. Gregory Gay , C.M .: Mensagem para o Pentecostes

A Família Vicentina compartilha este vídeo para o Pentecostes em que celebramos o ano da colaboração e como se preparar para o nosso aniversário como Família Vicentina.

Eu era estrangeiro e me acolheste.

Uma iniciativa mundial da Família Vicentina para celebrar o 400º aniversário do carisma vicentino em 2017.

Em 2017 celebramos o 400º aniversário do nascimento do carisma vicentino. Foi em 1617, pregando na paróquia de Châtillon, que Vicente exortou  seus paroquianos a assumirem a responsabilidade por uma família pobre, que estava gravemente enferma  e necessitava de alimentos e de conforto. A família se salvou graças à resposta generosa a este apelo à ação, e Vicente imediatamente compreendeu que, para ser eficaz, a caridade deve ser bem organizada –foi este acontecimento que mudou o mundo nos últimos  400  anos.

Esta história torna igualmente vivo um texto do Evangelho que está no coração da vocação vicentina que partilhamos -( Mt 25, 35: “ Eu era um estrangeiro e me acolheste.” Com a busca e a ajuda aos estrangeiros existentes no nosso meio, demonstramos solidariedade  ao acontecimento de Châtillons  e unidade em nossa vocação vicentina. Reproduzimos  o exemplo do bom Samaritano em nossa comunidade.

Quem são os estrangeiros no meio de nós, hoje?  A resposta é muitíssimo variada: os refugiados fugindo da opressão e da pobreza; as pessoas deslocadas no interior de seu próprio país devido à guerra civil; os migrantes em busca de uma nova vida; os que enfrentam sozinhos uma doença física ou mental; os que sofrem discriminação  talvez por causa  da sua fé, raça  ou cor; as pessoas solitárias  e vulneráveis, tanto jovens quanto idosos. Muitas destas pessoas e destes problemas já são áreas familiares à ação de membros da Família Vicentina em nível  mundial.Mas, podemos fazer ainda mais?Estão surgindo novas pobrezas às quais somos chamados a dar respostas?

Para celebrar os 400 anos do nascimento do carisma vicentino, os líderes internacionais da Família Vicentina gostariam de convidar todos os membros da FAMVIN do mundo inteiro a examinar como poderiam acolher melhor os estrangeiros em nossas comunidades,fazendo disto o foco dos 400 anos do carisma vicentino.

O ano do acolhimento se estenderá de 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2017 e será aberto oficialmente pelo Padre Gregory Gay, Superior geral da Congregação da Missão,no dia 15 de maio de 2016, festa de Pentecostes.

Esta data é particularmente significativa para a FAMVIN. Ela marca também o término do Ano da Colaboração,emitindo  um apelo  à ação e convidando-nos  a descobrir caminhos para socorrer os estrangeiros do nosso meio. Ele nos une também profundamente à Igreja Universal que, sob a orientação do Papa Francisco, celebra o Jubileu Extraordinário da Misericórdia.

A partir de 15 de maio de 2016, os líderes internacionais da Família Vicentinas e encarregarão  de desenvolver um processo de reflexão e consulta  com cada ramo particular da FAMVIN, em estreita colaboração  com seus organismos  regionais e nacionais. Eles serão convidados a se concentrar sobre as seguintes questões:

•    Quem são os estrangeiros da nossa vizinhança?

•    Como os apoiamos atualmente?

•    Quais as novas  necessidades que estão surgindo?

•    Como poderemos atender a essas necessidades?

•    Poderíamos nós ser os estrangeiros necessitando de acolhimento?

 Esta consulta e as ideias novas que vierem a surgirvão permitir a cada ramoda FAMVIN elaborar até outubro um plano de trabalho a executarem 2017. Estes planos serão remetidos à comissão de Colaboração da Família Vicentina, que coordenará e apoiará as atividades em nível mundial,através da produção de materiais de reflexão e de celebração, assim como promovendo o Ano  de celebração e as atividades realizadas,através do site da famvin.org. A comissão se encarregará igualmente  de elaborar um relatório final sobre os resultados e o impacto  desta iniciativa  até meados de 2018, para que possamos avaliar o resultado  de nossas ações  em nível mundial.

Onde a Família Vicentina mantém boas relações com outras organizações,nós a encorajamos  a  colaborar  em nível local, regional e nacional ou internacional. Comoo próprio Vicente de Paulo reconheceu – somos  melhores e mais eficazes,  quando trabalhamos juntos.

Acolher os estrangeiros em nosso meio deve igualmente  ser considerado um convite  a todos aqueles que partilham ou poderiam estar interessados  em nossos valores vicentinos, nossa missão ou nossa espiritualidade. As pessoas que servimos atualmente são tão capazes de acolher  os estrangeiros como nós – se os convidarmos a fazê-lo . Isto não depende de poder, de riqueza ou da hierarquia. É uma ocasião para todos fazerem parte de nossa família e participarem de nossas celebrações no decorrer do ano.

IMG

CONGREGAZIONE DELLA MISSIONE CURIA GENERALIZIA

IMG

Um caminho que nos tornará mediadores eficazes das promessas de Deus.

Roma, Advento 2015.

Caros irmãos e irmãs, membros da Família Vicentina,

 As promessas de Deus

“Eu serei o vosso Deus e vós sereis o meu povo” (Levítico 26, 12).
“Jamais meu amor te abandonará” (Isaías 54, 10).
“Livrava o pobre que pedia socorro e o órfão que não tinha apoio” (Jó 29, 12).
“Eis que faço nova todas as coisas … não a vedes? (Isaías 43, 19).
“Todo aquele que vive, e crê em min, nunca morrerá” (João 11, 26).
“Quem come a minha carne e bebe o meu sangue, permanece em mim e eu nele” (João 6, 56).
“Não vos deixarei órfãos. Voltarei a vós” (João 14, 18).
“Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo” (Mateus 28, 20).

    Estes textos bíblicos encarnam e expressam a relação de aliança que Deus estabeleceu com a humanidade. É necessário uma forma de presença para que todas essas promessas que citei acima possam ser realizadas. Permitam-me apresentar-lhes alguns exemplos para explicar o que quero dizer.

    Quando o povo clamava contra seus opressores que o tornara escravo no Egito, Deus estava presente, escutando o seu clamor; Deus chama Moisés: Vai, eu te envio ao Faraó para tirar do Egito os israelitas, meu povo” (Êxodo 3, 10), Deus estava presente e encontrou uma solução para a situação do seu povo. Após uma árdua disputa, o Faraó ficou mais brando e o povo atravessou o Mar Vermelho para começar uma longa travessia no deserto. Deus estava presente e salvou o seu povo. Quando o povo teve fome, Deus lhe deu o maná; quando teve sede, fez jorrar água do rochedo. Deus estava presente, acompanhando o povo nos momentos difíceis. De fato, Deus estava presente em meio as lutas do povo através da liderança de Moisés. Séculos mais tarde, quando uma multidão se reuniu em um outro lugar deserto para escutar os ensinamentos do Mestre, ela foi testemunha da multiplicação dos pães e dos peixes e sua fome foi saciada, Deus estava presente, mas, desta vez fisicamente, na pessoa de Jesus, como mestre, taumaturgo e consolador. No entanto, o Mestre desejava saciar não somente a fome física, mas também a fome espiritual. “Eu sou o pão da vida: aquele que vem a mim não terá fome, e aquele que crê em mim jamais terá sede” (Jo 6, 35). As palavras da Carta aos Hebreus resumem o que estou tentando dizer: “Muitas vezes e de diversos modos outrora falou Deus aos nossos pais pelos profetas. Ultimamente nos falou por seu Filho” (Hebreus 1, 1-2).

    Qual é a relação de tudo isto com a liturgia do Advento? Como Vicentinos, somos chamados a continuar a missão de Jesus Cristo proclamando a Boa Nova a estas pessoas marginalizadas que vivem na periferia da sociedade: “Sim, Nosso Senhor pede-nos para que evangelizemos os pobres: foi isto o que Ele fez e, é isto que deseja continuar fazendo através de nós” (Coste XII, 79)[1]. Ao nos comprometermos com o processo de evangelização, preparamos o caminho do Senhor e ao mesmo tempo nos tornamos mediadores que realizam as promessas de Deus. Através dos nossos distintos ministérios/serviços, unimo-nos ao desejo de João Batista: “importa que Ele cresça e que eu diminua” (Jo 3, 30).

[1] São Vicente de Paulo, Correspondências, conferências, documentos. Edição de Pierre Coste, Paris, 1920-1925, 14 volumes.

     Uma experiência missionária

    Gostaria de partilhar aqui uma de minhas experiências missionárias para ilustrar este ponto. Durante minha visita à Província de Madagascar em 2011, no momento da celebração do seu centenário, o nosso coirmão, o Padre Anton Kerin, compartilhou comigo algumas de suas experiências ministeriais em uma região muito distante do país. Contou-me a alegria que sentiu ao ver a maneira como a Boa Nova de Jesus se enraizava na população. Ele falou também das dificuldades que encontrou para anunciar a Palavra a uma população que jamais tinha ouvido falar do nome de Jesus. Eu desejei conhecer esta missão e prometi ao Padre Anton que na próxima viagem iria visitá-la. Mas, foi somente em abril de 2015 que consegui cumprir a minha promessa. Durante dois dias viajei por estradas terríveis que durante estes meus onze anos como Superior geral, jamais havia passado. Evidentemente que, por meus próprios meios, eu não teria podido percorrer tamanha distância, pois não conhecia estas estradas, isto significa dizer que outras pessoas tiveram que me acompanhar. Naquele momento o Visitador, assim como um leigo e o Padre Anton (que dirigiu durante as nove últimas horas, a parte mais difícil da viagem) tornaram-se meus companheiros de viagem. Quando finalmente chegamos a destino, o Padre Anton nos conduziu à Capela onde fomos acolhidos pelos membros do governo local e as autoridades religiosas. No dia seguinte, tive o privilégio de celebrar a Eucaristia com a população desta comunidade: era o domingo das vocações, eu fiz a minha homilia em inglês, que foi em seguida traduzida em malgaxe. Também pude visitar e celebrar a Eucaristia em uma das novas missões que foi estabelecida há aproximadamente quatro anos e que agora está florescendo. Sim, eu cumpri a minha promessa com o Padre Anton, mas ao mesmo tempo, descobri que tanto ele como aqueles que com ele trabalham são mediadores que realizam as promessas que Deus e nossos Fundadores fizeram ao povo de Madagascar.
Neste tempo de Advento, lembramos que Deus foi fiel às promessas feitas aos nossos pais e que nos foram transmitidas como povo de Deus vivo em 2015, no meio do mundo. Ao refletir sobre estas promessas, percebemos também que nossa colaboração é necessária para elas se tornem realidades. Logo, gostaria de refletir sobre minha experiência missionária em Madagascar e, espero assim, apresentar um caminho que nos torne mediadores eficazes das promessas de Deus.

      Colaboração

      Em primeiro lugar, sozinho e por mim mesmo, eu não seria capaz de realizar o que tinha prometido fazer. Então, para cumprir a minha promessa, precisei da ajuda e da colaboração de muitas pessoas, especialmente os guias e motoristas que estavam acostumados com as estradas e que conheciam nosso itinerário. Nossos Fundadores prometeram aos nossos senhores e mestres que proclamaríamos a Boa Nova de Jesus Cristo – e nenhum de nós pode cumprir esta promessa sozinho. Desde o início Vicente compreendeu que para ser eficaz, ele tinha que convidar outras pessoas para o seu ministério. Assim, após ter comprovado, durante muito tempo, a virtude e aptidão de Francisco du Coudray… Antônio Portail… e João de la Salle, Vicente os convidou a unir-se a ele para pregar as missões populares (Coste XIII, 204). Pouco tempo depois, os missionários perceberam que eles também precisavam de colaboradores porque estava claro que “os pobres…algumas vezes sofrem mais pela falta de organização para socorrê-los, do que por falta de pessoas caridosas” (cf. Coste XIII, 423), e foi assim que as confrarias da caridade nasceram. Mais tarde, ao longo do século XIX, quando Frederico Ozanam fundou a Sociedade de São Vicente de Paulo, ele pediu a uma Filha da Caridade para formar e acompanhar os membros deste novo grupo de estudantes universitários: …Irmã Rosalie [Rendu] … dava-lhes conselhos úteis, elaborou para eles uma lista de famílias pobres para visitar e, entregava-lhes os ‘Vales’ de pão e de carne até o momento em que a Conferência, que fora fundada recentemente, pudesse emitir os seus próprios vales”[1]. Durante este mesmo período, Catarina Labouré pedia ao Padre Jean-Marie Aladel para colaborar com o estabelecimento de um grupo de jovens rapazes e moças, conhecidos atualmente como a Associação da Juventude Mariana Vicentina.
A colaboração é fundamental para o nosso ser como Vicentinos. Ninguém pode sozinho proclamar a Boa Nova de maneira eficaz; ninguém pode sozinho estabelecer estruturas que unam o mundo numa rede de caridade; ninguém e nenhum ramo da Família Vicentina pode conhecer o único caminho, ou o caminho privilegiado, que permite aos seus membros seguir Jesus Cristo, o evangelizador e o servo dos pobres. Mas quando partilhamos nossos dons e talentos, quando nos unimos num projeto comum, quando o “nós” e o “nosso” se torna mais importante que o “eu” e o “meu”, então nós, juntos no Cristo e como Vicentinos, podemos fazer a diferença; todos juntos no Cristo e como Vicentinos, tornamos possível hoje a realização das promessas de ontem.

[1] Baunard, Frederico Ozanam, Segunda sua correspondência, J. de Gigord, Paris, 1913, pág. 98.

    Sair do conforto e assumir riscos

    Em segundo lugar, para manter minha promessa ao Padre Anton Kerin, tive que viajar por estradas difíceis e arriscadas que me deixaram desconfortado. A mesma reflexão pode ser aplicada a nós como Família Vicentina, si quisermos permanecer fiéis a nossa promessa de ser os servos das pessoas esquecidas, abandonadas, desprezadas, os servos dos nossos irmãos e irmãs que vivem na pobreza e na miséria. Se formos honestos, acredito que a maioria entre nós poderia admitir que não está muito à vontade com a realidade de colaboração. Uma abordagem de colaboração no ministério/serviço é muito mais exigente do que uma abordagem individual – e por ser mais exigente sentimo-nos naturalmente desconfortados, até mesmo tentados a evitar uma tal abordarem.

    Dediquemos alguns instantes para examinar algumas dessas exigências que poderíamos considerar ameaçadoras: o ministério/serviço em colaboração implica uma vontade de abdicar do controle e do poder, uma vontade de aliar-se aos outros como parceiros iguais no processo de decisão, uma vontade de convidar os pobres para sentar conosco ao redor da mesa onde eles tomem as decisões (decisões que lhes dizem respeito e às suas famílias). Este estilo de ministério/serviço exige um diálogo aberto e honesto assim como uma vontade de chegar a um compromisso – uma palavra que nestes últimos anos assumiu um significado negativo, tal como fraqueza, abandono dos ideais e dos princípios morais. Tudo isto pode nos deixar inquietos porque existe um risco, que se encontra no centro da nossa realidade atual e que nos convida, vocês e eu, a mudar (e nos sentimos sempre inquietos e angustiados quando temos que enfrentar uma mudança). Vocês e eu somos convidados a mudar nossa maneira de interagir uns com os outros, a mudar nossa maneira de realizar nosso ministério/serviço, a mudar nossa maneira de expressar nossa solidariedade às pessoas mais vulneráveis da sociedade. O degrau que desejamos nos comprometer no processo de conversão determinará como nós, unidos ao Cristo e como Vicentinos, faremos a diferença hoje e amanhã – e determinará a maneira como as promessas de ontem se tornarão uma realidade hoje.

    Elementos que caracterizarão nossa colaboração

    Alguns elementos deveriam caracterizar todos os nossos esforços em conjunto para fazer uma diferença no mundo atual e para levar ao cumprimento das promessas de ontem. Eu sei que se estabelecêssemos uma lista dos elementos necessários, incluiríamos a oração (sob todas as suas formas), a prática das virtudes, a leitura e reflexão das Sagradas Escrituras, a escuta atenciosa – vocês conhecem a lista dos elementos. Aqui, no entanto, gostaria de referir-me a outros elementos que nem sempre encontram um lugar em nossas listas, mas que acredito serem necessários, se quisermos ser mediadores eficazes e convincentes das promessas de Deus. Minha lista, além dos elementos mencionados acima, incluiriam também:

  • A curiosidade – unindo-nos em um ministério/serviço com os outros ramos e membros da Família Vicentina, necessariamente nós nos engajamos numa constante busca da ordem em meio ao caos, a encontrar um sentido em meio a agitação e ao sofrimento. Esta busca nos leva a fazer a seguinte pergunta: “por quê?” e dando continuidade a nossa busca, descobrimos uma outra questão, um outro “por quê?”, e logo depois uma outra pergunta e um outro por quê? Esta curiosidade, no entanto, deveria nos dar a coragem para percorrer caminhos novos, mesmo se isto signifique que seremos feridos, destruídos, caluniados, porque escolhemos seguir por caminhos ainda em construção (cf. Evangelii Gaudium, 49).
  • A análise crítica – a curiosidade e a análise crítica caminham de mãos dadas. A curiosidade pergunta: “será isto verdade?”, enquanto que a análise crítica nos torna capazes de olhar além das declarações, tais como: “Esta é a maneira como nós sempre fizemos as coisas! Nós sempre agimos desta maneira!” Este elemento de análise crítica é especialmente importante, pois somos chamados a participar do processo da Nova Evangelização, um processo novo em seu ardor, em seu método e em sua expressão.
  • A imaginação criativa – o amor é inventivo até o infinito (Coste XI, 146). Sua Companhia [seu grupo ou seu ramo da Família Vicentina] “não era nessa altura o que é atualmente e é de crer que não é ainda o que virá a ser, quando Deus a tiver posto no ponto em que a quer” (Conf. de 13/02/1646, pág.165). A curiosidade leva às formas de imaginação criativa, que por sua vez nos sustentam em nossos esforços, para proclamar a Boa Nova como realidade atual que é ao mesmo tempo “boa” e “nova” para os pobres.
  • Os vasos de argila – É a consciência que nos torna capazes de manter nossa perspectiva e de nos ver tal como somos: “Sois pó, e em pó vos haveis de converter” (Liturgia de Quarta-feira de Cinzas). “Eu vos louvo e vos dou graças, ó Senhor, porque de modo admirável me formastes! Que prodígio e maravilha as vossas obras!” (Salmo 139, 14). Escutemos Vicente falar de si mesmo: “sou filho de um lavrador, guardei porcos e vacas e acrescentai que isto não é nada ao preço da minha ignorância e de minha malícia” (Coste IV, 215); “tão miserável que sou, prego aos outros, e estou cheio de pensamentos malditos” (Conf. de 24 de agosto de 1654, pág. 473); “Ó Salvador perdoai a este miserável pecador que desperdiça todos os vossos desígnios que se opõe a eles e contradiz a tudo” (Coste XI, 271); “Senhor, faço o propósito de me manter firme no bem, porque isto Vos será agradável” (Conf. de 23/07/1656, pág. 590). Cada um de nós possui dons, talentos e forças, cada um de nós tem seus limites, seus defeitos e suas fraquezas. Somos ao mesmo tempo grandes e pequenos!

     A capacidade de sonhar com um mundo melhor – como membros de uma grande família, temos sonhos e visões de um novo dia: “…vi, então, um novo céu e uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra desapareceram…Enxugará toda lágrima de seus olhos e já não haverá morte, nem luto, nem grito, nem dor, porque passou a primeira condição” (Apocalipse 21, 1, 4); “mas, antes, que jorre a equidade como uma fonte e a justiça como torrente que não seca” (Amos 5, 24). Como trabalhamos numa pequena parte do mundo, podemos ser tentados a pensar que nosso ministério/serviço é insignificante no contexto global da realidade. Mas, isto não é verdade. Deveríamos imaginar que todos nós fazemos parte de um imenso quebra-cabeça, composto por centenas de peças. Ainda que sejamos uma única peça, esta peça é, contudo, essencial e tem muito valor; esta peça, nossa peça do quebra-cabeça, com todas as outras peças, contribui efetivamente na mudança do mundo – juntos fazemos uma diferença.

    Conclusão

Vivemos num mundo onde alguns fazem todo tipo de promessas diariamente, e se esquecem que tais promessas foram feitas. No entanto, as pessoas esperam que ajamos de maneira diferente; esperam que sejamos corajosos e que cumpramos nossas promessas, as de Deus e as dos nossos Fundadores. No século XIX o povo francês estava desanimado e desencantado. Muitas promessas lhe tinham sido feitas, mas a maioria continuava a viver na pobreza. Frederico Ozanam compreendeu a situação e desafiou os membros da Sociedade de São Vicente de Paulo através de palavras que continuam a nos desafiar no século XXI. Gostaria de concluir esta reflexão com algumas palavras de Frederico: “A terra está fria, somos nós, católicos [Vicentinos], que temos que reavivar o calor vital que se extingue, somos nós que temos que recomeçar a grande obra de regeneração, nem que para isto seja necessário recomeçar a era dos mártires[1]…Ficaremos nós indiferentes no meio de um mundo que sofre e que geme?…não faremos nada para nos parecermos com os santos que amamos?… Não sabemos amar a Deus…porque parece que é preciso ver para amar, e não vemos a Deus senão pelos olhos da fé e a nossa fé é tão fraca! Mas os pobres, a esses, nós os vemos com os olhos da carne! Estão ali e podemos pôr a mão nas suas feridas e as marcas da coroa de espinhos estão visíveis na sua fronte; aqui a incredulidade não tem lugar e deveríamos cair a seus pés e dizer-lhes como o apóstolo: ‘Tu es Dominus e Deus meus’ (Meu Senhor e meu Deus). Vós sois os nossos mestres e nós seremos os vossos servos; vós sois para nós a imagem sagrada desse Deus que não vemos e, não sabendo amar de outra maneira, nós o amaremos nas vossas pessoas…”[2]
Que Deus nos abençoe a todos neste tempo em que celebramos o Advento; neste tempo que Deus realiza as promessas que foram feitas aos nossos pais e que são renovadas hoje: um tempo onde Deus cumpre suas promessas convidando-nos como humildes instrumentos e ministros zelosos.

 

Seu Irmão em São Vicente,
Gregory Gay, C.M.
Superior geral

[1] Cartas de Frederico Ozanam, Cartas da juventude (1819-1840), Ed. Bloud & Gay. (Carta à Léonce Curnier, 23 de fevereiro de 1835).

[2] Ibid., (Carta a Louis Janmot, 13 de novembro de 1836).